BH

Destaques: Vacinação e imunização: saiba a diferença científica entre os termos

Entenda porque é preciso continuar seguindo as regras sanitárias mesmo quem já recebeu as duas doses dos antivírus

Vacinar contra a Covid-19 significa imunização da doença? A dúvida tem pairado entre os brasileiros após a campanha de combate ao novo coronavírus. Principalmente porque os especialistas afirmam que, mesmo depois de receber as doses de proteção contra a doença, é preciso manter as regras sanitárias.

Presidente da Sociedade Mineira de Infectologia (SIM), Estevão Urbano esclarece que praticamente 100% das pessoas vacinadas – contra a Covid ou outras enfermidades – desenvolvem a defesa imune. “Por isso, a vacinação e a imunização são sinônimas”.

Mas, cientificamente, há uma diferença. “Vacinar é receber o imunizante. Imunização é quando a pessoa desenvolveu a imunidade para qual a vacina foi indicada. Quando fala que a pessoa está imunizada, significa que a pessoa recebeu a vacina e teve os efeitos positivos dela, que é produzir anticorpos contra a doença”, detalhou.

O médico, que também é membro do Comitê de Combate à Covid-19 em Belo Horizonte afirma categoricamente que na prática quase todos que recebem a vacina ficam imunes. Com relação à Covid-19, a imunidade ocorre aproximadamente 15 dias após a segunda dose da vacina. Mas, sendo assim, porque é preciso manter o uso de máscara, seguir o distanciamento social e higienizar as mãos?

“A Coronavac e outras vacinas contra a Covid-19 imunizam quase 100% das pessoas. Mas a defesa do contágio é de 50%, embora a proteção de 100% de desenvolver sintomas graves da doença”, detalhou. Ou seja, mesmo vacinada e imunizada, não significa que a pessoa que recebeu as doses está livre do contágio. 

“O anticorpo impede de desenvolver a doença severa, mas não consegue evitar a contaminação. O que de fato importa é evitar adoecer. Mas é preciso seguir as etiquetas sanitárias para que o vacinado não seja fonte de transmissão do vírus”, disse Estevão.

Na avaliação do especialista, as medidas de proteção para impedir a Covid-19 poderão começar a ser abolidas depois que houve o “efeito rebanho”, com mais de 80% da população vacinada. “Até lá, mesmo quem já está imunizado deve seguir as regras para proteger o coletivo”, apontou.

Confira abaixo um tira-dúvidas sobre vacinação

1. Vacinar é seguro? 

Sim, se o imunizante for aprovado pela Anvisa e outras agências reguladoras pelo mundo. Uma vacina só é aprovada para uso após cumprir rigorosos critérios de segurança. 

2. Existe uma vacina mais eficaz que a outra? 

Cada imunizante tem seu percentual de cobertura. Todas as vacinas já aprovadas protegem da forma mais grave da Covid, o mais indicado, tornando todas eficazes contra o coronavírus. 

3. Se eu já peguei Covid-19, ainda preciso me vacinar? 

Sim. Casos de reinfecção pelo mundo foram registrados e especialistas advertem que a doença dá um período de proteção muito curto, geralmente de dois a três meses, o que é comum em doenças infecciosas. A expectativa é que o tempo de proteção da vacina seja superior a essa proteção causada por quem já pegou a doença.

4. Quantas doses são indicadas para a imunização? 

Todos os imunizantes já aprovados trabalham com duas doses para imunização. 

5 – A mutação do vírus pode inutilizar a vacinação e massa? 

A princípio, não, já que a maior parte dos imunizantes em uso pelo mundo protege contra as formas mais graves da Covid-19. Mas esse é um aspecto ainda em estudo pela comunidade científica. 

6. Depois que eu me vacinar, ainda preciso usar máscaras e praticar o distanciamento social? 

Sim. Ainda não se sabe por quanto tempo cada imunizante contra o coronavírus vai proteger cada pessoa contra a infecção. Além disso, mesmo estando vacinado, cada cidadão pode se tornar um agente transmissor do vírus, o fazendo pelo contato direto. 

7. Posso ter algum efeito colateral após ser vacinado? 

Sim. Nos testes de todos os imunizantes, pouquíssimas pessoas tiveram reações alérgicas entre oito e 12 semanas após a aplicação da dose. Elas foram cuidadas e tratadas, o que não compromete a segurança da vacina.

8. A vacinação vai reduzir a circulação do vírus e a pandemia? 

A expectativa é que com mais pessoas imunizadas atinja-se a imunidade de rebanho, reduzindo a infecção pela Covid-19.

9. De quanto em quanto tempo teríamos que nos vacinar? 

Ainda não há dados consolidados sobre o tempo de proteção que a vacina já em uso/estudos conferem ao corpo humano. 

10. Depois de vacinado, posso pegar a Covid-19? 

Há dois tipos de imunização, a esterilizante, como é o caso da vacina contra o sarampo (após imunizado, não se pega mais o vírus), e a que não é esterilizante, que te protege das formas graves do vírus, como é o caso da contra o influenza-A. Ainda não se sabe como será a atuação da vacina da Covid-19 nesse sentido, se será esterilizante ou não.

*Com colaboração de Paula Coura

Em tempos de desinformação e pandemia, o jornal O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Continue nos apoiando. Assine O TEMPO.

Fonte: Jornal Super / O tempo

Redação

O portal noticiasbh utiliza algoritmos com inteligencia artificial para proporcionar a você a seleção das principais notícias da cidade de Belo Horizonte, destaques do Brasil e no Mundo.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *