Brasil

Dr. Jairinho e mãe do menino Henry pedem a anulação na Justiça de possíveis provas do caso

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 1

A defesa do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), e da professora Monique Medeiros da Costa e Silva, padrasto e mãe de Henry Borel Medeiros de 4 anos, que morreu na madrugada do dia 8 de março, entrou com um recurso na Justiça do Rio de Janeiro (RJ) para anular possíveis provas do caso.

O pedido protocolado na terça-feira (06), na 2ª Vara do Tribunal do Júri, inclui, ainda todo o material recolhido pela Polícia Civil nos endereços onde eles estavam morando desde o falecimento da criança.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 2

Os advogados afirmam que os agentes da 16ªDP – Barra da Tijuca, que investiga o caso, realizaram as apreensões descumpriram procedimentos legais e levaram os equipamentos eletrônicos dos parentes de Dr. Jairinho e Monique.

O casal justifica que seus parentes não eram citados na ordem judicial de busca e apreensão, e que, por isso, não poderiam ter seus celulares recolhidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 3

No documento, a defesa afirma ainda que Dr. Jairinho tem sigo perseguido pelo delegado responsável pelo caso, Henrique Damasceno, titular da 16ªDP, e pede que a investigação seja realizada pela Delegacia de Homicídios da capital.

Na semana passada, a polícia realizou uma reprodução simulada no apartamento onde o casal residia com o menino. Numa força-tarefa que uniu diferentes departamentos da Polícia Civil, os investigadores buscavam esclarecer o que aconteceu na unidade 201 do bloco I do condomínio Majestic, no Cidade Jardim, na Barra da Tijuca. Exames minuciosos foram realizados no local. De acordo com depoimentos prestados por Monique e Jairinho, na 16ª DP, eles assistiam a uma série na televisão, quando, por volta das 3h30, encontraram Henry caído no chão, com olhos e mãos gelados e olhos revirados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 4

O apartamento onde Henry morava com a mãe e o padrasto foi vistoriado três vezes por equipes do IML e do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). Em depoimento prestado na 16ª DP, a faxineira que trabalhava para Monique e Jairinho disse que não foi informada sobre a morte do menino e, quando chegou ao imóvel, na manhã seguinte à tragédia, limpou o quarto no qual ele havia dormido. Mesmo assim, peritos conseguiram coletar amostras no cômodo para análises laboratoriais. Segundo uma fonte da investigação, foram usados materiais para a chamada limpadura de superfícies, e especialistas buscaram sinais que pudessem indicar se houve deslocamento de móveis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE 5



Fonte: GAZETA DO BRAZIL

Redação

O portal noticiasbh utiliza algoritmos com inteligencia artificial para proporcionar a você a seleção das principais notícias da cidade de Belo Horizonte, destaques do Brasil e no Mundo.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *