Internacional: Família de brasileiro preso no Egito por insinuação sexual divulga carta de desculpas

Internacional: Família de brasileiro preso no Egito por insinuação sexual divulga carta de desculpas

Como você se sentiu com essa matéria?

Médico brasileiro foi detido no Egito, após vídeo publicado em redes sociais

Médico brasileiro foi detido no Egito, após vídeo publicado em redes sociais| Foto: Reprodução/Inatagram

A família do médico brasileiro Victor Sorrentino, preso no Cairo após assediar verbalmente uma vendedora muçulmana, divulgou nesta quinta-feira (3), uma carta com um pedido de desculpas em inglês e árabe à vítima e ao Estado do Egito. O texto foi publicado na conta de Instagram da irmã do médico, Patricia Sorrentino, e assinado por familiares dele e pela esposa, Kamila Monteiro.

“Com relação aos recentes eventos relacionados ao caso do médico brasileiro Victor Sorrentino no Egito e aos danos materiais e morais causados a todos aqueles que foram afetados. Nós, a família de Victor Sorrentino, e em nome de Vitor, oferecemos um pedido de desculpas oficial à vítima, sua família e a todos aqueles que foram atingidos pelo ocorrido. A todo amado povo egípcio e a todos os oficiais do Estado do Egito nós oferecemos nossos sentimentos mais sinceros e nos comprometemos a reparar todos os danos morais e materiais. Pedimos que aceitem nosso pedido de desculpas”, diz a carta.

Na semana passada, o médico e influenciador postou em sua conta no Instagram um vídeo em que pergunta a uma vendedora local em português: “Elas gostam é do bem duro. Comprido também fica legal, né?”. No que a mulher sorri sem graça ao não entender o que o médico dizia. O vídeo foi postado e depois apagado no perfil do médico, com quase 1 milhão de seguidores. Após a repercussão, Sorrentino apagou o stories, postou outro pedindo desculpas e dizendo que foi apenas uma “brincadeira”, além de ter restringido o acesso ao perfil, que antes era público. O médico também postou um vídeo em que diz que “não suporta injustiça, pessoas que não te conhecem falando de ti”.

Victor foi detido no último domingo (30) no Cairo. A prisão foi fruto de um movimento iniciado por brasileiros e expandido por ativistas feministas egípcias. Essa articulação fez com que as ofensas verbais contra a vendedora de papiros chegassem a autoridades do país, que agora o acusam formalmente e estenderam a sua prisão.

Ele foi formalmente acusado de expor a vítima a insinuação sexual verbal. As penas partem de 6 meses e podem chegar a 3 anos de prisão. Se acusado de assédio sexual, o médico também pode ser condenado a um mínimo de 6 meses até 3 anos de prisão e multa não inferior a EGP 3.000 EGP (cerca de R$ 985).

Fonte: GAZETA DO POVO

CATEGORIAS
TAGS

COMMENTS

Wordpress (0)
Enable Notifications    OK No thanks